TurismoAzul 2013 - Todos os direitos reservados.​

É proibida a cópia e/ou reprodução das fotos sem a autorização

do autor, de acordo com a Lei 9610/98 dos Direitos Autorais.

  • Twitter Square
  • Instagram - Black Circle
  • Facebook Basic

Campos do Jordão - SP

Economia



A economia de Campos do Jordão baseia-se no turismo, na indústria de confecção de malhas e de chocolate, no artesanato e na exploração de água mineral.



Turismo



O Turismo constitui a maior fonte de renda do Município. Sua privilegiada localização, a uma distância relativamente pequena de três grandes capitais - São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, garante-lhe uma freqüência apreciável de visitantes.


 



O turismo é também o maior responsável pelo desenvolvimento de Campos do Jordão em seus mais variados setores. Por isso, uma das principais metas de governo municipal tem sido incentivar a criação de novos espaços e promover eventos que fortaleçam, ainda mais, a base da economia local.



Comércio



O comércio jordanense se desenvolveu à margem e ao longo dos trilhos da Estação Ferroviária de Campos do Jordão. A Vila Abernéssia deteve a hegemonia do comércio jordanense, arrebatada à Vila Jaguaribe, passando a localizar-se na antiga Vila Nova, não somente o pólo comercial, como também o centro cívico e o administrativo de Campos de Jordão.


 



Atualmente o principal centro comercial de Campos do Jordão é a Vila Capivari, que recebe anualmente em suas sofisticadas lojas a visita de milhões de turistas.



A Vila Abernéssia continua sendo o local onde estão concentrados bancos, supermercados, lojas, escritórios, o mercado municipal, empresas de serviço público, hospitais, escolas, centros médicos e odontológicos.

 


Indústria



Basicamente, a indústria jordanense lastreia-se, no turismo, atividade diversificado, complexa e polivalente.



É a indústria de paz, sem chaminés. Os seus com a inauguração da Estação Ferroviária de Campos do Jordão, a partir de 1914.


 



Anteriormente, o turismo era praticado, timidamente, dado que as vias de comunicação até então eram precárias.



Na década dos anos 20, surge a indústria da construção civil, que adquire grande expressão econômica.



A indústria hoteleira é uma das melhores do país, decorrente do fluxo turístico e da demanda espantosa de veranistas e visitantes à Campos do Jordão, uns em busca de recreação, outros de repouso.


 



Com o desenvolvimento turístico de Campos do Jordão, iniciou-se o crescimento célebre de inúmeras e pequenas indústrias artesanais de "souvenirs" e lembranças para venda aos turistas, além da fabricação de excelentes doces e geléias em compotas, em escala industrial.

Com grande êxito e aceitação no mercado, a partir dos anos 70, iniciou-se a fabricação de chocolates, da mais alta qualidade.


 



Outra indústria que adquiriu forças a partir dos anos 60, foi a de malharia, que encontrou grande mercado internos nos grandes centros, os quais absorvem atualmente grande parte da produção industrial.



O forte desenvolvimento da indústria jordanense de malhas, de alta qualidade, fez criar a I FEIMAR - Feira de Malharia e Artesanato, a partir de 1973. A malharia de Campos do Jordão é famosa em todo o país, pela sua alta qualidade, já ganhando até o mercado internacional.

Agricultura


 



O município registra 60% de solo tipo Campos do Jordão e 40% do tipo Massapé-Salmorão.



O primeiro é de baixa fertilidade, permitindo agricultura onerosa, exceto nas partes baixas, o segundo, é de boa fertilidade. Daí resulta uma atividade agrícola, não muito satisfatória.


 



Na paisagem rural, verifica-se que a principal atividade é a fruticultura e silvicultura, esta última ocupando 60% da área do município.

Os principais produtos de Campos do Jordão constituem-se de flores e folhagens, pêssegos, ameixas, nectarinas, castanhas, framboesas, amoras e hortaliças.

Pecuária


 



Verifica-se que parte do município abriga pastagens naturais e outras artificiais, embora existam também campos pobres e alguma floresta nativa, remanescente da Mata Atlântica.



O sistema é extensivo com gado solto, exigindo pouca assistência. Os rebanhos mais importantes são formados por bovinos, eqüinos, muares e suínos.

Truticultura


 



As duzentas mil trutas lançadas nos rios de Campos do Jordão em 1966, se reproduziram bem e são hoje uma atração para pescadores de todas as regiões. A truta arco-íris conseguiu se adaptar bem aos rios jordanenses, tornando-se mais resistente e adaptada ao clima e às águas com menor teor de oxigênio (em comparação aos rios da América do Norte, de onde se origina). Em um ano, ela atinge 30cm de comprimento e 250g, e já pode ser pescada.



A truta nada com rapidez, sendo difícil a sua captura. Ela nunca volta a morder a isca no local do primeiro lanço. Quando fisgada, briga muito.


 



Pioneiro na criação de trutas arco-íris no Brasil, Kyoshi Koike lançou o primeiro dos duzentos empreendimentos do gênero hoje existentes no pais: o pesqueiro Truta Azul. Nos três lagos formados para a pesca recreativa, a fartura do peixe garante o sucesso da pesca.



A Truticultura da Cachoeirinha fica a 12 km de Capivari. Em um belo sítio arborizado, um riacho corre por entre os tanques de criação. A pesca pode ser feita nos tanques, ou no próprio ribeirão, o que dá um toque todo especial ao difícil esporte de fisgar uma truta.


 



O Pesca na Montanha possui uma represa de 20.000 metros quadrados situada em meio a uma natureza exuberante. Ele utiliza o sistema "catch-and-release" e fornece todo o material necessário para a pesca e para o acondicionamento dos peixes.



O CLIMA DE CAMPOS DO JORDÃO



Da análise dos dados referentes às temperaturas no período de 1965 a 1974, pode-se afirmar que o clima de montanha de Campos do Jordão é do tipo tropical temperado, não apresentando nebulosidade úmida, ventos constantes ou chuvas excessivas.



Em razão da grande redução da cobertura vegetal da região, sobretudo nas encostas entre Monteiro Lobato e Campos do Jordão, que, no passado, foram revestidas integralmente de matas, e que hoje, ao contrário, apresentam 9% de campos, operaram-se modificações no clima, no sentido correspondente, ou seja, para um clima mesotérmico com verões brandos. Este tipo de clima foi, pouco a pouco, ascendendo as encostas da Mantiqueira, culminando por imperar em toda a região.


 



A alteração, nociva para a agricultura, no entanto revelou-se francamente benéfica nas áreas de tratamento de doenças pulmonares, onde se torna necessário o clima frio e seco.



O clima de Campos do Jordão, comparado à região alpina de Davos Platz na Suíça, acusou supremacia nos graus de nebulosidade, nas taxas de insolação, oscilações térmicas e nos índices de precipitação pluviométrica.


 

A nebulosidade média em Davos Platz era de cerca de 6% mais elevada. No que tange aos dias claros, as pesquisas deram 52% de dias claros para Campos do Jordão, enquanto que em Davos Platz verificou-se apenas 41%.




As diferenças de temperaturas médias do mês mais quente para o mês mais frio, não foram além de 8ºC em Campos do Jordão, ao contrário daquela cidade Suíça, em que as diferenças chegaram a 20ºC.

 

O teor de oxigenação e ozônio de Campos do Jordão foi considerado superior ao de Chamonix, famosa estância francesa, pela pureza de seu ar, a 2.800 m de altitude.



No Congresso de Climatologia, realizado em Paris, em 1957, o clima de Campos do Jordão foi considerado o melhor do mundo.

 



FAUNA E RIOS



As peculiaridades climáticas da região não autorizam a existência de uma fauna específica em Campos do Jordão.



No que tange à fauna aquática, apenas uma espécie merece referência, o pequeno lambari, e, por isso, o Instituto de Pesca desenvolveu um trabalho de pesquisa, que introduziu nos rios da região a "truta arco-íris", procedente da América do Norte.



O pastoreio extensivo é uma prática comum e tem permitido a abertura de trilhas, formadas pelo gado, que favorecem a reprodução e locomoção de algumas populações como as das perdizes e codornas, que são dependentes de habitats com vegetação baixa e pouco densa.


As seguintes espécies podem ser encontradas nas matas:


Mamíferos: bugio, caitetu, cotia, coati, macaco-prego, mono, onça suçuarana, queixada, saá, etc.



Aves: Azulão, bicudo, bigodinho, bitro, caburé, canário fogo, caçaroba, cuiu, curió, várias espécies de sabiás, urutagria, etc.



As seguintes espécies podem ser encontradas nos campos:



Mamíferos: esquilo, tatu, capivara



Fonte: www.camposdojordao.sp.gov.br